Livros

Opinião | Dentro de Mim faz Sul seguido de Acto Sanguíneo de Ondjaki

Título: Dentro de Mim faz Sul seguido de Acto Sanguíneo
Autor(a): Ondjaki
Editora: Editorial Caminho
Onde comprar: Wook

No Domingo que passou quis ler um livro para o desafio #24horas1livro da Silvéria e lembrei-me que tinha este livro Dentro de Mim faz Sul seguido de Acto Sanguíneo do Ondjaki para ler. Este é o segundo livro que leio do autor, mas o primeiro de poesia e como o próprio título diz, o livro está dividido em duas partes, sendo o Acto Sanguíneo o seu primeiro livro de poesia.

Ondjaki tem uma escrita muito poética e bonita, que me leva sempre a viajar ao passado, às minhas raízes e à minha infância, porque ele passa sempre um enorme sentimento pelas suas raízes e pela sua terra, que nada é parecida com a minha. No entanto, o autor-poeta consegue fazer-me relembrar da minha terra. O livro de prosa que li do autor foi Os da minha Rua é um conjunto de memórias da sua infância e por isso tem uma escrita mais leve. Nos poemas deste livro encontrei um Ondjaki mais profundo, mais introspectivo, como o autor escreveu “são portas que conduzem a um lado mais interno“.

Leituras_So Happywith Less (1)

Um livro de poesia onde a natureza está bem presente: as árvores, a lua, os pássaros, as flores, a praia… diversos elementos da natureza são referidos ao longo do livro. Quero ainda referir que notei diferença entre os poemas do primeiro livro Acto Sanguíneo, escrito em 2000 no fim da sua adolescência, e os poemas do segundo livro Dentro de Mim Faz Sul, escrito 10 anos depois. Gostei mais do segundo!!

Da primeira parte, Dentro de mim faz Sul, destaco o poema O deserto é minha casa:

o deserto é minha casa

com os olhos
consumo o labirinto.
tenho ventos e
areias arrumadas
em demasia

tenho luas em mim
um céu negros
em poesia

negro
e sem poesia.

passa o pássaro
– que seja uma andorinha.

invoco
o seu alvoroço libertino
a fluidez do seu canto
a humidade morosa
no seu bico.

o pássaro incessante
desmanchando o meu deserto
em fuga errante.

no seu rumo
todas as margens

todos
os murmúrios
do mar.

Da segunda parte, Acto sanguíneo, destaco o seguinte:

fui a vela, o mastro,
o remo do dia.
em mim naveguei
não na calma
pretendida
mas no mar aleatório que se impôs.
rumo solto
em solto rum,
pirata em mim
vi nitidamente em que porto
adormecer.
e se meu barco, revolto,
me não levasse já, lá,
então em sonhos eu seguiria.
mas o vento foi manso
a água esteira
certeira
para o porto
em que ainda repouso.

cheguei.

Gosto da escrita deste autor angolano e gostei de conhecer um pouco da sua poesia. Sendo esta leitura escolhida para o clube #umlivrodebaixodaasa, pois no mês de Fevereiro, mês do cupido, o tema era ler um autor nos apaixonasse ou que seduzisse a nossa curiosidade. E Ondjaki é um autor que me está a apaixonar e que quero ler mais de certeza. O próximo livro será provavelmente Avódezanove e o Segredo do Soviético, um livro que já me foi muito recomendado.

Classificação: ★★★★✩


O blog é afiliado da Wook. Ao comprarem os livros usando os links disponibilizados, estão a contribuir para o seu crescimento literário. Obrigada!!

Previous Post Next Post

Também podes gostar de:

Leave a comment

Deixa um comentário