Maternidade

Maternidade | Pós-parto Sem Filtros

Hoje no canal temos mais um vídeo sobre maternidade e falo sobre o pós-parto, sem filtros. Depois de ter falado do meu parto, falo agora do meu pós-parto e temos companhia neste vídeo. Mas deixo também aqui no blog o meu relato.

Bem depois do parto ainda no hospital, começa a nossa aventura com o bebé e é verdade que estamos com as hormonas aos saltos e super sensíveis. Como já referi noutros vídeos a Catarina é uma bebe super tranquila, e foi desde o início e como é a minha segunda bebé, eu estava mais tranquila. Mas mesmo assim bate aquela insegurança, e a Catarina teve icterícia neonatal, algo que acontece a muitos bebés, mas tive que ficar mais tempo no hospital e eu só chorava. Porque sentia que tinha sido uma guerreira e o parto tinha corrido bem, eu estava bem e olhava para a Catarina ela estava bem, queria ir para casa, estar com a minha família. Porquê que mais uma vez tinha que ficar no hospital mais tempo que o normal.

E nos primeiros dias é um choque olhar para o nosso corpo com barriga mas sem bebé. Corpo dorido e a fazer o trabalho para voltar ao lugar, as contrações do útero doem um pouco. As mamas doridas, imensas coisas juntas a não ajudarem a auto-estima. Mas acho que a minha idade e forma como hoje em dia encaro todos os desafios da vida, ajudaram-me a manter a calma e estar confiante. Na maternidade não há certos nem errados, e o melhor que fazemos é seguir a nossa intuição.

Foi bom voltar a casa, mas lá está as hormonas a funcionaram tornaram os primeiros dias complicados, porque tinha que me habituar a rotina da casa. Tinha pessoas da família em casa para ajudar mas não me sentia bem e a casa não estava como eu queria. Faltava a minha rotina e a minha organização. E minha gente sou picuinhas com isso e para ser sincera só me senti em casa e bem, quando foram todos embora.

Com a Catarina fui levando tudo com calma, seguindo a minha intuição. Todo o processo da amamentação não foi difícil para mim, mas deixa-nos mais exaustas. Eu dei e dou de mamar em livre demanda, quando a Catarina quer…mama, nem olho para as horas. No início a Catarina demorava imenso, mas eu aproveitava e lia. Como já disse na maternidade não há certos nem errados, e por exemplo a Catarina dorme comigo, ela dorme toda a noite, acorda para mamar mas nem chora. Ás vezes até dou de mamar a dormir, mas assim consigo ter a minha cabeça no lugar durante o dia. A privação do sono é o pior que podem fazer a uma mãe, e qualquer ser humano. Mas ela dorme comigo não foi devido à amamentação, foi porque eu estava sempre a acordar para ver se ela estava bem e a respirar. Sentia-me e sinto-me mais segura com ela ao pé de mim. Quando achar que está na altura de ela ir para o berço, logo se vê como corre a transição.

Mas no pós-parto o que me custou mais e custa-me ainda é olhar para o meu corpo, não sou daquelas mulheres abençoadas que após dois meses de gravidez ou até antes tudo voltou ao lugar. Não aqui não voltou e ainda falta! Foi o que realmente me deixou mais em baixo. Talvez para algumas pessoas isso não é nada, mas para mim foi uma facada na minha auto-estima. Só que não consigo parar de comer, com a amamentação só tenho mais fome. Na amamentação ainda ficamos com desejos. Tento relativizar! Ainda não me sinto bem mas sei que com o tempo volta tudo ao normal.

Nas primeiras 6 semanas do pós-parto, foi recomendado pelo hospital fazer uma sessão de Osteopatia, eu e a Catarina, para ajudar a colocar o nosso corpo no lugar e tirar alguma tensão. E para os bebés também faz muito bem! No vídeo ainda recomendo dois livros que li durante a gravidez que me ajudaram muito a ter mais confiança nesta fase: O livro de magia das mães e Os Bebés Também Querem Dormir, ambos de Constança Cordeiro Ferreira.

Outra questão difícil no pós-parto, é o isolamento, é ficarmos sozinhas. Eu gosto de estar sozinha e aqui em França nunca tive muitas pessoas, mas no pós-parto parece horrível. Quando fui de férias a Portugal senti ainda mais isso, os amigos e o marido a combinar coisas e eu até podia ir mas não me sentia no ambiente, porque tinha uma bebé nos braços. Para além de que há aqueles amigos que olham para ti com se fosses uma ave rara.

A maternidade e o pós-parto não são cor de rosa, mas se levarmos as coisas com muita calma, respeitarmos e ouvirmos o nossos corpo tudo é mais fácil. E pensar sempre que se hoje não correu muito bem, amanhã será outro dia. e seguir a nossa intuição. E eu só penso que estou bem de saúde, a minha bebé também, fizemos uma bebé linda e com saúde. Isto é o mais importante!

Deixo aqui o vídeo:

Espero que tenham gostado do vídeo. Se tiverem alguma questão deixem em baixo nos comentários.

Previous Post Next Post

Também podes gostar de:

2 Comments

  • Reply C.

    Adorei o teu post! E vejo-me em muitas coisas que tu escreveste e que na altura até eu escrevi no blog. Kindred spirits we are ?

    Março 19, 2019 at 10:30
    • Reply Raquel Silva

      Acho que quem passa pelo pós-parto sente mais ou menos as mesmas coisas 🙂

      Março 21, 2019 at 13:17

    Deixa um comentário