Livros

So happy with Nonfiction | Maio: Memórias

Durante o mês de Maio o sub-género que vai ser lido no clube So happy with Non Fiction é Memórias. Este sub-género está dentro da categoria autobiografia, e muitas pessoas pensam que é igual. Embora um livro de memórias é uma escrita autobiográfica, mas nem toda a escrita autobiográfica segue os critérios do género de Memória. Os livros deste sub-género normalmente referem-se a uma parte específica da vida de uma pessoa. Hoje trago algumas sugestões.

sohappywithnonfiction1

Estou Viva, Estou Viva, Estou Viva de Maggie O’Farrell é um livro que quero muito ler. São relatos da autora em diversas situações que podiam levar a autora à morte, transmitindo ao leitor a sua angústia e, sobretudo, nos fazem recordar que devemos parar, respirar fundo e ouvir o bater do coração.

Falando Mais Rápido que Posso de Lauren Graham, um livro da famosa atriz da série Gilmore Girls, que faz uma retrospectiva de sua vida e compartilha histórias sobre amadurecimento e sobre sua carreira de atriz. Este livro ainda não está traduzido em Portugal com muita pena minha, mas tenho o ebook pt-br.

A Menina que Sorria Contas de Clemantine Wamariya. A história de uma menina que sobreviveu ao genocídio do Ruanda, em 1994. Perdidas dos pais, passaram os seis anos seguintes em fuga, atravessando sete países africanos. Sempre com fome, constantemente violentadas e aprisionadas.

O Jardim das Torres Invisíveis de Qais Akbar Omar, este livro está há imenso tempo na minha estante para ser lido. Um livro que traz as memórias do autor quando a sua família iniciou uma perigosa fuga na tentativa de abandonar o Afeganistão após guerra civil eclodir. Relatos de fome, frio, sofrimento, medo, prisão e tortura.

sohappywithnonfiction2.png

Auto-Retrato do Escritor Enquanto Corredor de Fundo de Haruki Murakami. Um livro de memórias do autor quando tomou a decisão de se dedicar à escrita e começou a correr. Depois de participar em dezenas de provas de longa distância e em triatlos, o romancista reflecte neste livro sobre o que significa para ele correr e como a corrida se reflectiu na sua maneira de escrever.

Tudo o que Sei sobre o Amor de Dolly Alderto. Uma novidade da editora Cultura que fiquei com vontade de ler, que descreve-nos o processo da autora por que passou quando se apaixonou, a luta contra a autossabotagem, a procura de um emprego, os encontros catastróficos, os desgostos de amor e as humilhações e, o mais importante, das inquebráveis amizades femininas que a ajudaram a aguentar-se.

Paula de Isabel Allende. Um livro escrito durante o tempo que a filha da autora esteve em coma no hospital. A autora escreveu a história da família para a filha e somos levados a conhecer os segredos e recordações mais íntimos do seu passado e do seu país natal, o Chile, ao mesmo tempo que assistimos às sucessivas tentativas de contrariar e, por fim, aceitar a partida iminente de um ente querido.

Orange Is the New Black – O Ano que passei numa Prisão de Mulheres de Piper Kerman, um livro que já foi adaptado para série. Com uma carreira profissional, namorado e uma família estável, Piper Kerman não se parecia com ela mesma quando, há dez anos, entregou uma mala repleta de dinheiro proveniente de um negócio de droga e foi presa. E temos o seu relato na prisão.

Na publicação onde sugeri os três sub-géneros para Maio, indiquei mais 4 sugestões. Podem tirar mais ideias na lista do goodreads, os Memórias de Muheres (Não-ficção) e ainda podem encontrar mais listas deste sub-género.

A minha escolha para este mês vai ser Uma Educação de Tara Westover, um livro que ainda não está na minha estante e espero que chegue a tempo para o ler, se não chegar irei escolher outro livro. Neste livro temos a história da autora que viveu a infância a preparar-se para o Fim dos Mundo, passava o verão a conservar pêssegos e o inverno a cuidar da rotatividade das provisões de emergência da família. Não tinha certidão de nascimento e nunca pusera um pé na escola. Não tinha boletim médico, porque o pai não acreditava em médicos nem em hospitais. Não havia quaisquer registos da sua existência. Aos dezasseis anos, Tara decidiu educar-se a si própria e saiu de casa. Um livro que tem sido muito falado e tem tido muitas boas opiniões.

Não se esqueçam de partilhar o livro escolhido e quando terminarem a leitura, é importante que falem um pouco sobre o vosso livro e partilhar no grupo no Facebook, para que todos os participantes possam descobrir novas leituras. Utilizem a hashtag #sohappywithnonfiction nas vossas partilhas, para no final do mês eu juntar todos os links das vossas opiniões e compilar tudo de forma a termos várias indicações literárias de não-ficção.

Vão participar? Qual é o livro que vão ler?

Guarda as sugestões dos 8 Livros de Não-Ficção de Memórias no Pinterest

Pinterest (13)


O blog é afiliado da Wook. Ao comprarem os livros usando os links disponibilizados, estão a contribuir para o seu crescimento literário. Obrigada!!

Previous Post Next Post

Também podes gostar de:

Leave a comment

Deixa um comentário